Após consulta pública, em preparação uma nova versão para o Plano S

O Plano S, que deve entrar em vigor no próximo 1º de janeiro, deverá contar com uma nova versão.

A seguir, reproduz-se o artigo “Reação ao Plan S”, de Bruno Pierro.


Reação ao Plan S

 Consulta recebe mais de 600 sugestões para mudar estratégia de acesso aberto a artigos científicos.

 

Iniciativa da Comissão Europeia com apoio de agências de 14 países, o Plan S propõe que, a partir de 2020, os resultados de pesquisas financiadas com dinheiro público sejam divulgados em revistas científicas de acesso aberto, aquelas que qualquer pessoa pode consultar sem pagar por isso. A transformação que o plano irá produzir se for adotado por muitos países produziu uma grande mobilização de vários segmentos da comunidade científica. Uma consulta pública sobre a iniciativa, encerrada no início de fevereiro, recebeu mais de 600 sugestões vindas de universidades, agências de fomento, editoras e cientistas de mais de 40 países. “Nunca se viu um debate tão amplo sobre o futuro da comunicação científica como esse”, disse, em nota, David Sweeney, copresidente do cOAlition S, o consórcio internacional responsável pelo plano.

O conteúdo das mensagens não foi publicado pelo consórcio, que vai analisar as recomendações. Mas parcela significativa dos comentários foi divulgada por seus autores. A plataforma digital Open Access Tracking Project (OATP) reuniu mais de 420 avaliações. Na mídia social Reddit, um fórum sobre o assunto expôs cerca de 105 pareceres. O texto do Conselho de Pesquisa da Noruega (RCN) tem 885 páginas.

O desafio será buscar pontos de convergência em meio a uma diversidade de vozes e interesses. Em linhas gerais, os comentários refletem preocupações com a forma como seria feita a transição para um modelo de publicação totalmente aberto e propõem uma extensão do prazo para a iniciativa entrar em vigor. Também há sugestões para poupar das restrições do plano as revistas de sociedades científicas, que desempenham um papel importante e dependem da venda de assinaturas. A Sociedade Europeia de Física, por exemplo, considera que uma transição forçada para um sistema exclusivamente de acesso aberto corre o risco de minar a viabilidade econômica desses periódicos.

Limite para taxas
Vários comentários questionam se é factível fixar um teto para os valores das taxas cobradas dos autores para publicar artigos em acesso aberto, as chamadas APCs. Um dos objetivos do Plan S é controlar os gastos com essas taxas, cujo valor pode ir de US$ 1,5 mil até US$ 5 mil por paper. “É importante que o limite não fique abaixo dos custos de revisão e publicação em periódicos de qualidade”, recomendou a European Molecular Biology Organization (Embo), sediada em Heidelberg, na Alemanha.

A decisão de submeter o projeto à avaliação do público foi tomada em novembro, depois de uma forte reação de editoras e grupos de cientistas. Em sua proposta original, o Plan S condena a publicação de artigos em revistas híbridas, em que os trabalhos ficam disponíveis para assinantes, mas o autor pode pagar uma taxa extra para que seu paper seja divulgado sem restrições na web – essa prática é vista como abusiva. Pesquisadores de várias áreas queixaram-se da perda de liberdade de publicar em periódicos de maior impacto, que na maioria são híbridos (ver Pesquisa FAPESP nº 276).

As grandes editoras, com exceção da holandesa Elsevier, também divulgaram suas considerações sobre o Plan S. A norte-americana Wiley declarou que o plano vai excluir a maioria das revistas científicas ao impor restrições excessivas e lembrou que já existem muitos caminhos para se publicar em acesso aberto. “O Plan S não defende um modelo específico, mas apenas determina o acesso imediato aos resultados de pesquisa”, disse à Pesquisa FAPESP um dos mentores da iniciativa, o holandês Robert-Jan Smits, conselheiro sênior em Acesso Aberto da Comissão Europeia. “Acreditamos que a iniciativa contribuirá para o surgimento de novos periódicos de acesso aberto com qualidade. Isso ocorrerá gradualmente”, afirma Smits. Uma nova versão do guia de implementação do Plan S deverá ser apresentada ainda no primeiro semestre de 2019.


Pierro, Bruno de. Reação ao Plan S. Consulta recebe mais de 600 sugestões para mudar estratégia de acesso aberto a artigos científicos. Pesquisa FAPESP,  277.   http://revistapesquisa.fapesp.br/2019/03/14/reacao-ao-plan-s/

 

Anúncios

A FAPESP lança seu “Plano S”

 

Entra em vigor nesta semana a Portaria CTA nº 01/2019 da FAPESP  que institui a “Política para Acesso Aberto às Publicações Resultantes de Auxílios e Bolsas FAPESP”, aplicável “à publicação de qualquer artigo ou outro tipo de comunicação científica, que contenha resultados originados de pesquisas apoiadas, parcial ou totalmente, pela FAPESP, em qualquer modalidade de apoio”. 

A portaria estabelece que “os textos completos de artigos ou outros tipos de comunicação científica, originados de pesquisas e projetos por ela financiados, parcial ou totalmente, e publicados em periódicos internacionais sejam depositados em repositório institucional de trabalhos científicos, seguindo-se a política para disponibilização em acesso aberto de cada revista, logo que os manuscritos sejam aprovados para publicação ou em prazo compatível com as restrições de cada revista”.

Os repositórios das instituições públicas de ensino superior de São Paulo  — da CRUESP, que congrega USP, Unicamp e Unesp, da UNIFESP e da UFSCAR — ganham mais peso  como vitrine da produção científica de cada universidade pública de São Paulo.

Leia aqui a íntegra da Portaria.


FAPESP/ Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo . Portaria CTA Nº 01/2019.

http://www.fapesp.br/12632?fbclid=IwAR1QVe9sxxDWIWMXTxtCLTChzvhsTaEwSxU2Ce65lQM2-EF_WaQyR0AlcN0.

 

A “Dra. Anna Fraude”

 

Uma personagem fictícia, criada por quatro pesquisadores, materializou-se num spam enviado a 360 periódicos científicos.

Anna-olga-szust
Anna O. Szust

Ela se candidatava a editora. Seu nome:  Anna O. Szust, uma brincadeira com a palavra polonesa oszust, ‘fraude’. O perfil criado para a Dra. Anna era fraco: basicamente a tese de doutorado  “Adult females’ (Homo sapiens) born during the spring season are more physically attractive” e capítulos de livros inexistentes  atribuídos a editoras inexistentes. 48 publicações caíram no embuste, sendo que uma  propôs a divisão  do lucro 60-40. O relato dessa experiência por seus autores:

Sorokowski, Piotr;  Kulczycki, Emanuel; Sorokowska, Agnieszka  Pisanski, Katarzyna. 2017. Predatory journals recruit fake editor.   Nature 543, 481–483 () https://www.nature.com/news/predatory-journals-recruit-fake-editor-1.21662



Imagem: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Anna-olga-szust.jpg

 

Recebi emails de uma revista internacional desconhecida interessada em que eu dê pareceres para artigos

 

Há um tipo de spam que se concretiza como uma mensagem lisonjeadora a nosso trabalho e nos convida a publicar numa revista de que nunca se ouviu falar, apesar de alardear um fator de impacto extremamente alto. A publicação quase imediata se faz mediante pagamento de taxas que a mensagem (ou o site do grupo editorial) faz questão de frisar que estão abaixo dos preços de mercado (comentado em Recebi emails de uma revista internacional interessada em publicar minha pesquisa/)

Esse tipo de caça-níqueis dirigido especificamente a autores acadêmicos vem-se expandindo: aos spams com um convite para publicar num determinado periódico  há  também aqueles que convidam para atuar como  parecerista. Se o filtro de endereços não foi muito bom, podemos  receber uma solicitação de parecer para um trabalho em área muito diferente da nossa, como no exemplo a seguir.

Peer review convite 2

Fosse o convite feito para analisar um texto de nossa área, como decidir?

Bom, há detalhes a considerar em mensagens desse tipo.

  • Uma consulta ao DOAJ/Directory of Open Access Journals retorna o nome da revista? (Mas podia ser uma revista recém-criada, por exemplo).
  • O nome do grupo editorial dessa publicação já aparecia na antiga lista de Beall ? (Mas a lista foi alvo de críticas).
  • Talvez o mais importante: um passeio pelo site do periódico, porque ele nós dá  ideia do que foi publicado: os textos têm qualidade? Os prazos decorridos entre o recebimento do manuscrito e sua publicação contam-se em dias apenas?  Enfatiza a cobrança de taxas abaixo das cobradas no mercado?

O convite para parecer tinha interesse de fato num parecer?

Vamos ao exemplo acima. Foi possível rastrear o trabalho mencionado no convite e constatar que entre a data de recebimento do artigo pelos editores, avaliação e publicação na internet  correram apenas 23 dias e £999 (em torno de 5 mil reais); entre o email acima e o final do processo, 11 dias.  

Respondo a uma mensagem como essa? (Ou : devo responder a um spammer tão amável?)

Não.

Um desdobramento indesejável

Conseguir nomes que aceitem ser associados a uma revista predatória ajuda a revestir de respeitabilidade um negócio eticamente discutível. Mas para quem permitiu ter seu nome associado a um desses periódicos o cenário muda.

Laine & Winker (2017), em artigo no site da WAME/ World Association of Medical Editors, propunham que “Ideally, academic institutions should also identify academics who are listed as editors or Editorial Board members for journals established as predatory, and require that their affiliation with the institution is removed”. 

É uma proposta apenas. Mas ilustra o dano à reputação que pode trazer.


Laine, Christine & Winker Margaret A. Identifying Predatory or Pseudo-Journals. World Association of Medical Editors. February 15, 2017. http://wame.org/identifying-predatory-or-pseudo-journals

Livro adicionado

Está disponível o livro “Escrita acadêmica: primeiros passos” em Home/Docs neste site. Voltado especialmente para os pós-graduandos do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFRJ, pode servir de orientação a outros alunos no processo de se tornarem autores acadêmicos.

O livro se compõe de três partes. A primeira parte tem como suporte a macro-organização dos maiores desafios do início do percurso acadêmico:  a dissertação de mestrado e a tese de doutorado, mas também a monografia de final de curso de graduação.  Feito o trabalho, a pergunta: onde publicar? É o tema da segunda parte. A terceira parte trata de um problema crescente: a publicação que compromete o currículo.


Rosa, Maria Carlota. 2018. Escrita acadêmica: primeiros passos. Rio de Janeiro: M.C.A.P.Rosa.

O Plano S europeu: Acesso Aberto (OA) para pesquisas com dinheiro público

Em setembro de 2018, com o apoio da Comissão Europeia e do Conselho de Pesquisa Europeu, foi lançado na Europa o Plano S,  uma proposta que pretende obrigar a veiculação de trabalhos científicos realizados com financiamento público em acesso aberto a partir de 1 de janeiro de 2020.

“By 2020 scientific publications that result from research funded by public grants provided by participating national and European research councils and funding bodies, must be published in compliant Open Access Journals or on compliant Open Access Platforms.”

O Plano S conta com 10 princípios  que preveem, por exemplo, que o autor manterá os direitos autorais, sem restrições; que o modelo híbrido de publicação (isto é, revistas com OA e assinaturas) não será compatível com o novo modelo; que as taxas de publicação serão padronizadas e limitadas em toda a Europa.

A reação de grandes grupos editoriais que não publicam em acesso aberto teve início, porque, segundo um dos representantes da Elsevier,  “if you think that information should be free of charge, go to Wikipedia” (Wikipedia, Plan S). Veio também de pesquisadores, em especial da área da Química, numa carta aberta, “Reaction of Researchers to Plan S: Too Far, Too Risky.


Sobre o tema:

cOAlition S.  2018. Plan S : Making full and immediate Open Access a reality. https://www.coalition-s.org/

cOAlition S. 2018. 10 Principles .  https://www.coalition-s.org/10-principles/

Plan S Open Letter. Reaction of Researchers to Plan S: Too Far, Too Risky. https://sites.google.com/view/plansopenletter/home

USP/ SIBI.  s.d. O Plano S e a revolução do Acesso Aberto. http://www.sibi.usp.br/noticias/revolucao-no-acesso-aberto-conheca-o-plano-s/ 

Velterop, Jan. 27Nov2018. Plano S — e Taxas de Processamento de Artigo (APCs). SciELO em Perspectiva, 2018

https://blog.scielo.org/blog/2018/11/27/plano-s-e-taxas-de-processamento-de-artigo-apcs/

Wikipedia contributors. Plan S. https://en.wikipedia.org/wiki/Plan_S