E os agradecimentos? (Em especial, na dissertação ou na tese)

Num texto acadêmico, os agradecimentos dizem respeito a contribuições que não se qualificam como autoria. Um exemplo: o financiamento. Sem bolsa de uma FAP (i.e., de uma das Fundações de Amparo à Pesquisa) ou do CNPq, da CAPES não teria sido possível o desenvolvimento do trabalho; por conseguinte, essa agência específica estará nos agradecimentos (certamente essa exigência já estava no contrato assinado).

Do mesmo modo, quem  prestou ajuda técnica com aparelhos, quem permitiu acesso a dados ou quem revisou a redação  contribuiu, mas não é autor. Nos Agradecimentos, então.

Quem tem de estar nos agradecimentos

Têm de estar listados nos agradecimentos de tese, dissertação, monografia: a) no caso de bolsista, a agência de fomento (com o nome da bolsa e o número do auxílio); b) o orientador, sem o qual  sequer haveria defesa.

  • Se não houver agradecimentos ao orientador, fica implícito que orientador e orientando estavam em guerra.
  • Fica implícita a mensagem de que o orientador não orientou se o agradecimento ao orientador:
    • vier lá pelo meio de uma lista de agradecimentos, ou
    • se aparecerem como orientadores (pior: antes do orientador oficial) outros orientandos do orientador.
(Vale a pena deixar o registro do mal-estar para a posteridade?)

Especifique em que consistiu a contribuição de cada nome arrolado.

O que é opcional (mas recomendável incluir) nos agradecimentos 

No caso de dissertações, teses e monografias:

  • a instituição em que o trabalho foi desenvolvido, que disponibilizou sua infraestrutura, como bibliotecas, laboratórios;
  • outra instituição em que tenha feito estágio, bolsa sanduíche;
  • os responsáveis pela liberação ou diminuição de carga horária no trabalho;
  • leitores de versões prévias.

No caso de artigo, aos pareceristas que tenham contribuído para a melhoria do trabalho.

No caso de periódicos, há os que exigem 
autorização por escrito daquele a quem se agradece 
para que o nome possa ser mencionado nos agradecimentos.
Evitam, desse modo, que pesquisadores-seniores
pareçam dar peso a um trabalho cuja existência 
possam mesmo desconhecer. 

Quem (ou o que) não deve estar nos agradecimentos

Em artigos são raros, uma vez que não há espaço, mas têm sido comuns em monografias, dissertações e teses brasileiras, ao menos em Linguística, o que poderíamos classificar como agradecimentos afetivos. São agradecimentos relativos ao incentivo ou ao suporte, emocional e/ou financeiro, recebido de parentes, amigos e até de  animais de estimação. Também são comuns os agradecimentos religiosos.

Podem ser comuns, mas é estranho abrir uma dissertação, tese ou monografia e encontrar agradecimentos não acadêmicos, como os exemplos a seguir. Expõem desnecessariamente e num contexto inapropriado a intimidade do autor:

  • Agradeço ao meu namorado, XXXXX, com quem eu sei que passarei o resto da minha vida. 
  • Primeiro de tudo, gostaria de agradecer a Deus por manter a minha mãe ao meu lado. 
  • À minha cadela, que sempre quando eu estava triste me alegrou (mesmo sem dizer uma palavra) com todo o seu amor. 
  • Aos meus amigos que acreditaram em mim. 
  • Às minhas tias que sempre se alegram com minhas conquistas acadêmicas e pessoais.
Mas e os amigos do café antes das aulas? 
As tias? O namorado? 
Chame-os para uma comemoração!
Num trabalho longo como a tese, o afeto por
essas pessoas (e o amor a Deus) poderia achar lugar na Dedicatória. 

 É caso de agradecimento ou de coautoria?

Teses e dissertações não trazem esse problema.

Comece a preparar o arquivo dos agradecimentos 
quando estiver começando o trabalho. 
Garanta desse modo que colegas e professores que 
contribuíram com sugestões ou comentários 
relevantes, bibliografia, dados não sejam esquecidos.

 


Vale ler os artigos:

Hayashi, Maria Cristina Piumbato Innocentini. 2018.  Agradecimentos em artigos científicos: o ponto de vista de pesquisadores. Prisma, 37: 55-70. http://ojs.letras.up.pt/index.php/prismacom/article/download/4708/4401

MONTEIRO, Rosangela et al. 2004. Critérios de autoria em trabalhos científicos: um assunto polêmico e delicado. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular .19 (4): III-VIII.  http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-76382004000400002&script=sci_arttext

MONTENEGRO, Mano R.  & ALVES, Venâncio A. Ferreira. Critérios de autoria e coautoria em trabalhos científicos. Acta Botanica Brasilica [online]. 1997, 11 (2): 273-276   http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-33061997000200014&script=sci_arttext


Referências

Parte do material desta postagem reproduz

Rosa, Maria Carlota. 2015. Guia para trabalhos monográficos originais. Material para os orientandos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s